ELT: On working with readers

enflag Last semestre I had an intermediate group which had a mandatory reading – the Slumdog Millionaire graded reader, adapted and published by Macmillan.

Even though many (if not all) of my students had seen the film, I made a point of how this would be a different experience – that’s also why I didn’t show them any trailers or snippets from the flick. I’m sure that rather than make them enjoy the plot, what my coordinator aimed when assigning this book was to make students notice that they’re by now perfectly able to read a wide range of texts in English,  such as newspaper, magazines, websites, blogs and, why not, fiction.

And, truth is, students need to be reminded that that’s why they’re attending a regular English course: to be able to read, listen, write and speak in a different language, often with native speakers, and not to take tests and get grades for the next level.

This post is just to share things that worked really well and also some thoughts I had throughout the term and which other teacher might find useful.

1) First and foremost, read the book. It might be obvious, but it doesn’t matter if you’ve seen the film, read the unabridged edition or if you simply ‘have no time for this’ – in an adaptation, plot changes, characters’ names change, alternative endings appear and you don’t want to be an amateur, right?

2) Don’t stick to plot, characters, order of events, chronological sequences and all this literary stuff that teachers – and only teachers – tend to love. If your students feel that their English is somehow improving with the extensive reading, odds are they go through the whole book AND enjoy it. Try using language to review/introduce/expand vocabulary and grammar:

expand expand2 expand3 expand4

3) However, never miss any opportunity of talking about history and culture facts that the book might bring, as literature is also about it:

Sem títuloculture2

4) As it happens with most of ESL/EFL activities, personalisation plays a crucial role in this type of project as well. There’s nothing worse than those end-of-chapter questions that teachers want students to answer once their reading is over. Characters’ motivation, dates and useless data don’t improve on appreciation, honestly.

5) In this sense, just make sure you provide your students with opportunities to practice speaking, listening, reading and, if possible, writing. I was pressed for time, so I didn’t assign any compositions, but it’s something I’d have definitely done – integrated skills, always:

skills1

6) Try to include tasks that students would perform in real life or would relate themselves to – this group played “Who will win a billion?” and created their own questions for a quiz which was the last activity about the reader:

personalisereallife1reallife2

7) Last but not least, ask the class for feedback on the relevance of the activities you brought and and monitor their reading experience while they read and after the reading is concluded (i.e.: check whether they’re finding it difficult, what kind of problems they’re facing, if this has been a pleasant experience, etc).

That’s it, sort of a rough guide on what I’ve done. Hope you like it and please share any ideas you’ve tried and approved – or rejected!🙂

*

brflag Semestre passado meu grupo intermediário teve uma leitura obrigatória – o livrinho Slumdog Millionaire, adaptado para o nível deles e publicado pela Macmillan.

Apesar de muitos  (senão todos) terem visto o filme, deixei claro desde a primeira aula que seria uma experiência diferente – também por isso não mostrei nada de trailer nem trechos do filme na aula. Tenho certeza que, mais do que curtir a história, o que minha coordenação tinha em mente ao pedir que os alunos lessem o livro era fazer com que os alunos notassem como, já neste estágio, eles são perfeitamente capazes de ler uma boa variedade de textos em inglês, como jornais, revistas, websites, blogs e, por que não, ficção.

E a verdade é que alunos precisam ser constantemente lembrados de que é pra isso que estão fazendo um curso de inglês: para conseguir ler, falar, escrever e conversar nessa língua que estão estudando, frequentemente com falantes nativos – e não para fazer provas e conseguir nota suficiente pro próximo nível.

A ideia desta postagem é apenas compartilhar algumas coisas que funcionaram bem em sala, além de algumas coisas em que pensei durante o semestre e que outros professores podem achar úteis.

1) Antes de tudo e de qualquer outra coisa, leia o livro. Pode parecer óbvio, mas não importa se você viu o filme, se leu a edição integral ou se você simplesmente ‘não tem tempo para ler’ – é uma adaptação, então o enredo muda, nomes de personagens mudam, finais alternativos podem surgir e você não vai querer ser um amador nessa hora, vai?

2) Não fique falando de enredo, personagens, ordem dos eventos, sequências cronológicas e todas essas literatices que professor -e só professor – costuma adorar. Se seus alunos sentirem que o inglês deles está, de alguma forma, evoluindo com esse exercício de leitura extensiva + tarefas em classe, maiores serão as chances de que leiam o livro todo E GOSTEM disso! Procure usar exemplos de linguagem que revisem/apresentem/expandam vocabulário e tópicos gramaticais:

expand expand2 expand3 expand4

3) Entretanto, nunca deixe passar uma chance de falar sobre fatos históricos e culturais que o livro eventualmente traga, afinal, literatura também tá aí pra isso:

Sem títuloculture2

4) Como acontece com a maior parte de atividades de ESL/EFL a personalisação tem um papel importante também nesse tipo de projeto. Nada mais chato do que aquelas perguntas capítulo por capítulo que o professor quer que o aluno responda, terminada a leitura. Motivação das personagens, datas e dados bizarros não contribuem com a apreciação da proposta, de verdade.

5) Nesse sentido, não se esqueça nunca de propor atividades que façam os alunos falar, ouvir (quase todos os livros vêm com mídia de áudio), ler e , se possível, escrever. Eu tava com pouquíssimo tempo extra, então não pedi nenhuma redação, mas é algo que eu definitivamente faria,  de uma forma bem descontraída – habilidades integradas, sempre:

skills1

6) Tente incluir tarefas que os alunos poderiam vir a fazer na vida real ou que eles consigam associar à sua realidade – meu grupo jogou “Who will win a billion?”, criando suas próprias questões para uma disputa em classe que foi a última atividade com o livro lido:

personalisereallife1reallife2

7) Por último, mas não menos importante, peça feedback da classe sobre a relevância das atividades que você apresentou e monitore a experiência de leitura deles durante e depois (ou seja, pergunte se a leitura está sendo difícil, quais problemas têm aparecido, se gostaram da experiência, etc).

É isso, um breve guia do que tenho feito. Espero que gostem e que compartilhem as ideias que vocês já tentaram e aprovaram – ou mesmo as que deram errado!🙂

About Isabella Ferraro

English examiner, teacher and frustrated ballerina. Geek, gauche, obsessed with books, podcasts and the web. Dedicated professional and blogger, tho. More info below blog's header.
This entry was posted in Authentic language, Cultural differences, Discussion, EFL, ELT, ESL, Grammar, ICAO test, Listening, lIVROS, Podcasts, Prepositions, Pronunciation, Proofreading, Readers, Reading, Vocabulary, Writing and tagged , , , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s