ELT: Web-integrated Scavenger Hunt

enflagSo, you don’t think an advanced group of teenagers would be interested in hunting around for clues in their school? Think it over. It just has to be meaningful. I devised a scavenger hunt with items we had seen in class as a revision before the final test and also as an opportunity to relax and celebrate our much awaited holidays. As we’re set for wi-fi in the school, I made sure it would play an essential role in the activity, but of course you can do it without the web and smartphones.

1) Using the web for Anticipation

scavenger1 Adding your students on Facebook beforehand might be a good idea. Anyway, on the same day that you’re doing the hunt, publish something about it, make them curious about it or even give them some sort of hint that will end up giving the upperhand for those who are connected. Create personalised hashtags # for this activity.

2) Using the web to keep the levels of excitement and interest upscavenger2   scavenger5

Make the hunt more challenging and competitive by posting online updates with extra hints. I also used the hashtags to give these, so they would keep themselves connected to me even if I wasn’t around them at that moment.

3) Using the web to connect students to a pedagogic purpose

My aim was to revise inversions, the future as seen from the past and vocabulary items related to types of stories, so I created an activity involving the production of a video and it was probably the most complex task of the whole scavenger. Of course these topics could be reviewed in separated clues, but not only did I want them to actually spend some time and effort on this one, I also wanted to offer them opportunities to get advantages if they worked a bit harder or went a bit further than the minimal tasks: scavenger3 Another task  asked students to watch a short video on YouTube to introduce a topic which had been discussed in class: 6-word stories. Students were so into using the technology available that they would even make some quite fancy production with pictures, rather than simply scribble 6 words in a piece of paper: scavenger4 4) Using the web to connect them to a real-life purpose

For their last challenge, students had to text me on my phone with as many chat acronyms and text shortands as possible in a no-nonsense message.  Students who had previously won the “very special clue” were awarded a list of acronyms that came in very handy for this final task. Here’s a bit of what they did:

imho the happiest people don’t have the best of everything, cuz, Idk, they just make the best of everything‪#‎scavengerhunt‬

@culturainglesajundiai ‘text your teacher’ Hi teacher, I cant stop TOY since the BOY and idk what to do. Imo u r gr8 and I want to see u ASAP, if there is np for you. Thx ‪#‎scavengerhunt‬ ‘text your teacher’

sup teacher! fyi we ♡  the gr8 game cuz we had fun and we bol (∩_∩) thx 4 it! ASAP do it again! xoxo (*˘︶˘*).。.:*♡ ‪#‎scavengerhunt‬ ‘text your teacher’

5) Much as I dislike giving prizes in class, this was a special end of term celebration, so all of the participating groups got chocolate, but only one was the official winner.

6) Overall instructions to be observed at all times for this kind of activity:

  • Let the staff know you’ll be doing this and watch your students throughout the hunt as closely as possible;
  • Students will be working in pairs and each pair should have one smartphone in use for this activity;
  • Students are allowed to check their books, notes and dictionaries; internet can also be accessed from their phones/classroom;
  • Tell students they should explore common spaces in their school only: there won’t be clues in the teachers’ room nor in the kitchen, for instance; also remind them to respect other people, children and professionals in the school, tell them not to go outside, etc.

Have fun and let me hear from your experience too!

*

brflagEntão você não acredita que um grupo avançado de adolescentes não vai se interessar em correr pela escola atrás de pistas? Reconsidere. Só precisa fazer sentido. Eu fiz uma caça ao tesouro de revisão, com conteúdo visto em classe, para antes da prova final e também como uma oportunidade de relaxar e celebrar férias muito aguardadas. Como temos wi-fi na escola, fiz com que a internet fosse ferramenta essencial para o jogo, mas claro que você pode fazer a mesma atividade sem usar internet ou smartphones. 1) Usando a internet para Antecipação scavenger1 Adicionar seus alunos no Facebook com antecedência pode ser legal. De qualquer maneira, no mesmo dia do jogo, publique algo a respeito, chame todos, faça com que fiquem curiosos ou até mesmo dê alguma espécia de informação que dará algum tipo de vantagem para quem estiver acompanhando as atualizações.  Crie hashtags personalizadas # para a atividade.

2) Use a internet para manter níveis altos de animaçãoscavenger2 scavenger5 Deixe a caçada mais desafiadora e competitiva postando dicas adicionais. Também usei as hashtags da atividade para dá-las, assim os alunos ficariam sempre conectados comigo, mesmo quando eu não estivesse por perto. 3) Use a internet para conectá-los com um propósito pedagógico: Meu objetivo era revisar vocabulário relacionado a tipos de histórias, inversões e futuro visto do passado, então eu pensei em um desafio que envolvia a produção de um vídeo e que, provavelmente, foi a tarefa mais complexa de todo o jogo. Claro que os tópicos de revisão poderiam ser revisados cada um em uma pista separada, mas além de eu querer que eles dedicasse tempo e esforço consciente nesta pista, queria também oferecer oportunidades que dariam vantagens àqueles que trabalhassem um pouco mais, ou que fossem além das tarefas mínimas: scavenger3 Outra atividade pedia que os alunos assistissem um vídeo curtinho no YouTube para apresentar um tópico que também havia sido visto em sala: histórias de 6 palavras. Os participantes se envolveram tanto com a ideia de usar toda tecnologia que tinham à mão que produziram coisas muito bacanas com fotos, ao invés de simplesmente rabiscar 6 palavras num pedaço de papel: scavenger4 4) Use a internet para conectá-los com um propósito da vida real:

Para o último desafio, eles tiveram que me mandar um SMS com o maior número de abreviações e símbolos de chat, em uma mensagem que não fosse absurda – ou seja, que tivesse algum recado a ser transmitido. Os alunos que previamente ganharam a “pista muito especial” tiveram uma lista de abreviações que acabou sendo muito útil para essa tarefa final. Aqui uma amostra do que foi produzido:

imho the happiest people don’t have the best of everything, cuz, Idk, they just make the best of everything‪#‎scavengerhunt‬ @culturainglesajundiai ‘text your teacher’

Hi teacher, I cant stop TOY since the BOY and idk what to do. Imo u r gr8 and I want to see u ASAP, if there is np for you. Thx ‪#‎scavengerhunt‬ ‘text your teacher’

sup teacher! fyi we ♡  the gr8 game cuz we had fun and we bol (∩_∩) thx 4 it! ASAP do it again! xoxo (*˘︶˘*).。.:*♡ ‪#‎scavengerhunt‬ ‘text your teacher’

5) Mesmo não gostando de dar prêmios em aula, esta foi uma celebração especial de fim de semestre, por isso todos ganharam chocolate, mas tivemos apenas uma dupla que foi a campeã oficial.

6) Instruções importantes para todos os momentos deste tipo de atividade

  • Avise os demais funcionários da escola que você fará uma atividade fora da sala e monitore seus alunos ao máximo;
  • Os alunos trabalharão em pares e cada dupla terá um smartphone em uso para esta atividade;
  • Permita que os alunos consultem seus  livros, anotações e dicionários e que acessem a internet de seus celulares ou da sala de aula;
  • Os alunos deverão explorar somente áreas comuns da escola; diga que não haverá pistas na sala dos professores, em outras salas e nem na cozinha, por exemplo; lembre-os, ainda, de respeitar todas as pessoas, funcionários e crianças que estiverem na escola e de não sair à rua e o que mais julgar necessário.

Divirtam-se!

Posted in EFL, ELT, end of term, English in Use, ESL, game, Grammar, Idioms, revisão, revision, scavenger hunt, tresure hunt | Tagged , , , , | Leave a comment

ELT: On working with readers

enflag Last semestre I had an intermediate group which had a mandatory reading – the Slumdog Millionaire graded reader, adapted and published by Macmillan.

Even though many (if not all) of my students had seen the film, I made a point of how this would be a different experience – that’s also why I didn’t show them any trailers or snippets from the flick. I’m sure that rather than make them enjoy the plot, what my coordinator aimed when assigning this book was to make students notice that they’re by now perfectly able to read a wide range of texts in English,  such as newspaper, magazines, websites, blogs and, why not, fiction.

And, truth is, students need to be reminded that that’s why they’re attending a regular English course: to be able to read, listen, write and speak in a different language, often with native speakers, and not to take tests and get grades for the next level.

This post is just to share things that worked really well and also some thoughts I had throughout the term and which other teacher might find useful.

1) First and foremost, read the book. It might be obvious, but it doesn’t matter if you’ve seen the film, read the unabridged edition or if you simply ‘have no time for this’ – in an adaptation, plot changes, characters’ names change, alternative endings appear and you don’t want to be an amateur, right?

2) Don’t stick to plot, characters, order of events, chronological sequences and all this literary stuff that teachers – and only teachers – tend to love. If your students feel that their English is somehow improving with the extensive reading, odds are they go through the whole book AND enjoy it. Try using language to review/introduce/expand vocabulary and grammar:

expand expand2 expand3 expand4

3) However, never miss any opportunity of talking about history and culture facts that the book might bring, as literature is also about it:

Sem títuloculture2

4) As it happens with most of ESL/EFL activities, personalisation plays a crucial role in this type of project as well. There’s nothing worse than those end-of-chapter questions that teachers want students to answer once their reading is over. Characters’ motivation, dates and useless data don’t improve on appreciation, honestly.

5) In this sense, just make sure you provide your students with opportunities to practice speaking, listening, reading and, if possible, writing. I was pressed for time, so I didn’t assign any compositions, but it’s something I’d have definitely done – integrated skills, always:

skills1

6) Try to include tasks that students would perform in real life or would relate themselves to – this group played “Who will win a billion?” and created their own questions for a quiz which was the last activity about the reader:

personalisereallife1reallife2

7) Last but not least, ask the class for feedback on the relevance of the activities you brought and and monitor their reading experience while they read and after the reading is concluded (i.e.: check whether they’re finding it difficult, what kind of problems they’re facing, if this has been a pleasant experience, etc).

That’s it, sort of a rough guide on what I’ve done. Hope you like it and please share any ideas you’ve tried and approved – or rejected! :)

*

brflag Semestre passado meu grupo intermediário teve uma leitura obrigatória – o livrinho Slumdog Millionaire, adaptado para o nível deles e publicado pela Macmillan.

Apesar de muitos  (senão todos) terem visto o filme, deixei claro desde a primeira aula que seria uma experiência diferente – também por isso não mostrei nada de trailer nem trechos do filme na aula. Tenho certeza que, mais do que curtir a história, o que minha coordenação tinha em mente ao pedir que os alunos lessem o livro era fazer com que os alunos notassem como, já neste estágio, eles são perfeitamente capazes de ler uma boa variedade de textos em inglês, como jornais, revistas, websites, blogs e, por que não, ficção.

E a verdade é que alunos precisam ser constantemente lembrados de que é pra isso que estão fazendo um curso de inglês: para conseguir ler, falar, escrever e conversar nessa língua que estão estudando, frequentemente com falantes nativos – e não para fazer provas e conseguir nota suficiente pro próximo nível.

A ideia desta postagem é apenas compartilhar algumas coisas que funcionaram bem em sala, além de algumas coisas em que pensei durante o semestre e que outros professores podem achar úteis.

1) Antes de tudo e de qualquer outra coisa, leia o livro. Pode parecer óbvio, mas não importa se você viu o filme, se leu a edição integral ou se você simplesmente ‘não tem tempo para ler’ – é uma adaptação, então o enredo muda, nomes de personagens mudam, finais alternativos podem surgir e você não vai querer ser um amador nessa hora, vai?

2) Não fique falando de enredo, personagens, ordem dos eventos, sequências cronológicas e todas essas literatices que professor -e só professor – costuma adorar. Se seus alunos sentirem que o inglês deles está, de alguma forma, evoluindo com esse exercício de leitura extensiva + tarefas em classe, maiores serão as chances de que leiam o livro todo E GOSTEM disso! Procure usar exemplos de linguagem que revisem/apresentem/expandam vocabulário e tópicos gramaticais:

expand expand2 expand3 expand4

3) Entretanto, nunca deixe passar uma chance de falar sobre fatos históricos e culturais que o livro eventualmente traga, afinal, literatura também tá aí pra isso:

Sem títuloculture2

4) Como acontece com a maior parte de atividades de ESL/EFL a personalisação tem um papel importante também nesse tipo de projeto. Nada mais chato do que aquelas perguntas capítulo por capítulo que o professor quer que o aluno responda, terminada a leitura. Motivação das personagens, datas e dados bizarros não contribuem com a apreciação da proposta, de verdade.

5) Nesse sentido, não se esqueça nunca de propor atividades que façam os alunos falar, ouvir (quase todos os livros vêm com mídia de áudio), ler e , se possível, escrever. Eu tava com pouquíssimo tempo extra, então não pedi nenhuma redação, mas é algo que eu definitivamente faria,  de uma forma bem descontraída – habilidades integradas, sempre:

skills1

6) Tente incluir tarefas que os alunos poderiam vir a fazer na vida real ou que eles consigam associar à sua realidade – meu grupo jogou “Who will win a billion?”, criando suas próprias questões para uma disputa em classe que foi a última atividade com o livro lido:

personalisereallife1reallife2

7) Por último, mas não menos importante, peça feedback da classe sobre a relevância das atividades que você apresentou e monitore a experiência de leitura deles durante e depois (ou seja, pergunte se a leitura está sendo difícil, quais problemas têm aparecido, se gostaram da experiência, etc).

É isso, um breve guia do que tenho feito. Espero que gostem e que compartilhem as ideias que vocês já tentaram e aprovaram – ou mesmo as que deram errado! :)

Posted in Authentic language, Cultural differences, Discussion, EFL, ELT, ESL, Grammar, ICAO test, Listening, lIVROS, Podcasts, Prepositions, Pronunciation, Proofreading, Readers, Reading, Vocabulary, Writing | Tagged , , , , , , , | Leave a comment

Airborne drones to take centre stage in new art installation at Victoria & Albert museum

Link | Posted on by | Tagged , , , , , , | Leave a comment

Focus on: like

enflag

We very often sound redundant by sticking to same old words and expressions. Especially when it comes to a foreign language – after all, why should I do it differently, as long as such words and expressions have proved themselves effective for my purposes?

Suffice it to say that repetition is boring. And you want to keep your listener interested, particularly if they happen to be your ICAO / IELTS / TOEFL/ Cambridge examiners, right?

Still, not only does variety make our speech more engaging, it reveals how much we’ve improved our language by making us even more accurate and comfortable in terms of speaking and fluency in a foreign language. And, truth be told, it’s the same with our first language, don’t you agree? If you use it in different ways and registers, it only gets richer and new rooms for improvement are opened.

So, why don’t we have a closer look at like, which is one of the verbs we most thoroughly use? Here are some alternatives suggested by the Macmillan dictionary online:

like-macmillan

Which are your favourite ones, among these new options? Which ones you wanto to start using today?

*

brflagÉ muito comum cair na mesmice linguística e ficar usando sempre as mesmas palavras e expressões, principalmente ao falar em uma língua estrangeira – afinal de contas, por que inventar moda, se estas palavras e expressões funcionam para o que eu preciso dizer?

Basta dizer que repetição é chato. E você quer manter seu ouvinte interessado, ainda mais se este ouvinte for seu examinador do ICAO / IELTS / TOEFL/ Cambridge, certo?

Além disso, a variedade não só faz nosso discurso mais interessante, ela também sinaliza o quanto nosso inglês melhorou, quando nos mostramos mais apropriados e confortáveis em termos de fala e fluência. E, verdade seja dita, o mesmo acontece com a nossa língua materna, vocês não concordam? Usar o português em diversos contextos e registros só faz com que nossa língua fique mais rica e que novos espaços para progresso sejam criados.

Por isso, que tal prestarmos mais atenção no uso que fazemos do verbo like, que sem dúvida é um dos mais recorrentes? O dicionário Macmillan online sugere algumas alternativas muito atuais e frequentemente usadas entre falantes nativos:

like-macmillan

Quais suas favoritas? Quais você vai começar a usar hoje mesmo?

Related articles

Posted in Authentic language, Collocations, English in Use, Focus on, Foreign Language, Grammar, Mother Tongue, Second Language, Speaking, Vocabulary | Tagged , , , , , , , , , , | Leave a comment

Spelling: American X British

Spelling: American X British

Originally from Grammar.net

Image | Posted on by | Leave a comment